Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
15/09/21 às 18h58 - Atualizado em 14/10/21 às 16h02

No segundo trimestre de 2021 a economia do DF cresceu 7,5% em relação ao mesmo período de 2020

Os números foram apresentados pela Codeplan e pela Secretaria de Economia nesta quarta, 15, em transmissão ao vivo pelos canais da Companhia e da Secretaria

 

No segundo trimestre de 2021, a atividade econômica do Distrito Federal, mensurado pelo Índice de Desempenho Econômico do Distrito Federal (Idecon-DF), evoluiu 7,5% em comparação ao mesmo período do ano anterior (2020), sendo o maior crescimento em toda a série histórica do indicador, iniciada em 2012. Os setores que contribuíram para esse resultado foram a Indústria e o setor de serviços, 11,2% e 7,4%, respectivamente. Já a Agropecuária registrou índice negativo de 0,8/%. Na mesma base de comparação, a economia nacional, calculada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), cresceu 12,4%. A Indústria subiu 17,8%, seguida pelos Serviços, 10,8%, e a Agropecuária, 1,3%.

 

No acumulado dos seis primeiros meses de 2021, a economia do DF expandiu 3,8% em relação ao primeiro semestre há um ano (2020). Os números mostram que a economia local reagiu em relação ao segundo trimestre de 2020, o período mais afetado pela pandemia do Coronavírus, como explica Jean Lima, presidente da Codeplan:

 

“Os dados do Índice de Desempenho Econômico do Distrito Federal mostram uma retomada gradual da economia em relação ao segundo trimestre do ano passado, período mais afetado pela pandemia da Covid-19, quando a atividade econômica local contraiu 3,9%. Um dos fatores favoráveis foi a redução da taxa de desemprego total de 21,6% para 18,7%, entre junho de 2020 e de 2021, demonstrados pela Pesquisa de Emprego e Desemprego do Distrito Federal (PED/DF). O principal responsável pelo desempenho da atividade econômica do Distrito Federal, o Setor de Serviços, que representa 95,3% da economia, cresceu de abril a junho 7,4% em relação a igual período do ano anterior. No país, os dados do IBGE revelaram alta de 10,8%, na mesma base de comparação. No primeiro semestre do ano, no Distrito Federal, o setor acumulou alta de 3,7% e, em quatro trimestres, até junho de 2021, alta de 1,8%. No Brasil, os crescimentos foram de 4,7% no semestre e de 0,5% nos últimos quatro trimestres” apontou Lima.

 

Apesar dos bons números, os resultados trimestrais mostram melhor desempenho da economia nacional em relação à brasiliense. Isso, deve-se, principalmente, ao perfil produtivo local, onde o setor de Serviços determina a dinâmica da atividade econômica, já que representa 95,3% da estrutura produtiva do DF, com grande influência da atividade Administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade social. Os setores Industrial (4,2%) e o Agropecuário (0,5%) possuem menor representatividade.

 

Para a secretária adjunta de economia do Distrito Federal, Ana Paula Cardoso, o cenário atual é otimista. “É um cenário que depois de toda a crise, e com os reflexos da retomada, inclusive da influência da vacinação, vemos a possibilidades de reação.”, finalizou.

 

RESPONSÁVEIS PELO CRESCIMENTO

 

INDÚSTRIA

Com peso 4,2% na economia da Capital, a indústria, registrou aumento de 11,2% no segundo trimestre de 2021 comparando com o mesmo período de 2020.

 

A Construção, responsável por 2,2% da atividade econômica brasiliense e 51,1% do setor industrial, evoluiu 16,6% no confronto dos segundos trimestres de 2021 e 2020. O ritmo de obras no DF aumentou o nível de ocupados na atividade, o que contribuiu para o crescimento desse segmento produtivo. No país, a atividade subiu13,1%.

 

O grupo Outros da Indústria cresceu 5,7% no segundo trimestre do ano. O desempenho foi influenciado, em parte, pelos consumos de água e energia elétrica, que ficaram acima do registrado em igual período de 2020.  O grupo agrega as atividades das Indústrias Extrativas e Eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos e descontaminação.

 

SERVIÇOS

O setor de Serviços representa 95,3% da economia local, sendo o maior responsável pelo desempenho econômico do Distrito Federal. Em três meses, abril a junho, o setor cresceu 7,4% em relação a igual período do ano anterior. No país, os dados do IBGE revelaram alta de 10,8%, na mesma base de comparação.

 

De acordo com o Idecon-DF, a atividade comercial foi a que mais cresceu no segundo trimestre de 2021, 19,4%, frente ao mesmo trimestre do ano anterior. No semestre, subiu 6,7%. O índice nacional registrou evolução trimestral de 20,9% e semestral de 11,6%, de acordo com o IBGE.

 

METODOLOGIA

O Idecon é calculado pela Codeplan, trimestralmente, desde 2012, por meio de uma metodologia própria, adaptada a partir de parâmetros de cálculo do Produto Interno Bruto (PIB) do Distrito Federal. O mesmo é uma medida do desempenho da atividade econômica do Distrito Federal no curto prazo, cujo o objetivo é oferecer um indicador que seja tempestivo, capaz de informar e orientar a tomada de decisão dos diversos atores da sociedade da Capital Federal.

 

TEMPO DE ECONOMIA

O Tempo de Economia é um programa quinzenal da Secretaria de Economia transmitido pelo canal da pasta no YouTube. O debate virtual conta com a participação de especialistas, setor produtivo e representantes do poder público para debater perspectivas e ações pós-Covid-19 sob diferentes aspectos.

 

Acesse aqui o Idecon-DF_do 2º Trimestre de 2021

 

Reportagem: Kaszenlem Rocha com supervisão de Renata Nandes – Ascom/Codeplan

Foto: Tony Winston, Agência Brasília

CODEPLAN - Governo do Distrito Federal

Companhia de Planejamento do Distrito Federal

Setor de Administração Municipal - SAM, Bloco H, Setores Complementares - CEP: 70.620-080 - codeplan@codeplan.df.gov.br